sábado, 22 de outubro de 2011

Crítica #2: Campanha da ATEA


Essa imagem acima tem causado muita polêmica em diversos locais. Na internet, em ônibus e até mesmo em outdoors. Se trata de uma campanha feita por uma associação de ateus e agnósticos a fim de diminuir o "preconceito contra os ateus". Bom, um belo caso de vitimização, não é. Coitadinhos dos ateus, eles sofrem preconceito.

Basta colocar um pouco de reflexão em cima dessa imagem e os erros já aparecem, ou melhor dizendo, saltam aos olhos. Primeiramente, os rótulos colocados na imagem são duvidosos. Chaplin não era ateu, ele acreditava em uma Força Superior, que não julgava saber se era Deus ou não, mas acreditava. E quanto a Hitler, seu regime era ateu, e mesmo que fosse teísta ele não estava seguindo os ensinamentos Cristãos.

O texto da foto se contradiz, pois no início diz que "Religião" não define caráter, depois aponta pessoas que supostamente acreditam e não acreditam em Deus. Ora, acreditar em Deus e ter uma religião são coisas diferentes. O texto não consegue se manter numa lógica simples como essa.

Também vale ressaltar que se religião não define caráter, então caráter existe. Se caráter existe, então valores morais objetivos existem. Logo, Deus existe. Veja mais no post O Argumento Moral.

O objetivo da campanha, segundo a ATEA, é alertar quanto ao "preconceito" sofrido por ateus. Entretanto essa imagem não passa apenas de uma provocação barata. Não é uma boa estratégia comparar uma pessoa a Hitler, segundo os princípios de debate isso é derrota automática. Também falha e muito como uma estratégia de marketing, pois se o objetivo é causar reflexão a ATEA está se dirigindo para o lado oposto. A imagem gera apenas revolta da parte dos cristãos, e com razão, pois a imagem é muito provocativa e baixa.

Muitos não entendem a proporção do ataque que fazem até sofrerem um ataque similar. Por que não colocar uma foto com líderes ateus como Mao Tsé Tung, Pol Pot e Stalin e embaixo o número de pessoas que cada um matou? Não teria efeito reflexivo nenhum, seria apenas uma provocação contra os ateus que geraria apenas brigas e mais brigas. Inútil.

Será tudo isso desespero para serem aceitos? Ou um fanatismo demagógico louco para tentar mostrar para os outros que eles estão certos e todos os demais estão errados?


Na verdade é ao contrário. Se Deus não existe, tudo é permitido. Basta ler o post O Argumento Moral.


Velha técnica essa hein?! Basta ler o post divindades politeístas. Você vai entender porque e onde essa imagem erra.

Vamos ver como os ateus reagiriam com imagens no mesmo estilo das vistas acima. Quero reforçar que o objetivo não é fazer uma contra-campanha, mas só ilustrar para os ateus como é inútil esse tipo de estratégia, pois não alcança o objetivo de lutar contra o preconceito. Muito pelo contrário, passa longe disso, só causa mais discórdia. Seguem as paródias feitas pelo blog Quebrando Neo-ateísmo.


Argumento da Moral

O "Argumento Moral" é um dos argumentos que mais confundem a cabeça dos neo-ateus. Por mais simples que ele seja, muitos não conseguem o compreender, ou às vezes fazem de conta que não conseguem.

Neste vídeo, William Lane Craig explica o Argumento Moral de uma forma simples e fácil de entender. Vamos analisar com bastante calma o argumento. Quando digo valores morais objetivos me refiro à valores morais que são válidos e obrigatórios, nós acreditando neles ou não. Muitos teístas e muitos ateístas concordam que se Deus não existe, então valores morais objetivos não existem.

Vamos analisar o que diz Michael Ruse, um notável filósofo da ciência:

"A posição do evolucionista moderno é que a moralidade é uma adaptação biológica, não menor que nossas mãos, pés e dentes. Considerada como um racionalmente justificável conjunto de afirmações sobre algo, a ética é ilusória. Aprecio que, quando alguém diz 'Ame o seu próximo como a ti mesmo', ele pense estar referindo-se a algo acima de si mesmo. Todavia essa referência é na verdade sem fundamento. A moralidade é apenas uma ferramenta de sobrevivência e reprodução e qualquer sentido mais profundo é ilusório."

Como podemos ver, na visão ateísta a moral objetiva não existe. Todos os valores morais são subjetivos, ou seja, cada um tem o seu. Nesse sentido, se Deus não existe tudo é permitido. O fato é que valores morais objetivos existem, então segue-se logica e necessariamente que Deus existe.

Vamos ilustrar com um exemplo. Uma ação como um estupro, na visão ateísta é considerada uma atitude não socialmente vantajosa, então, ao longo do desenvolvimento humano se tornou um tabu. Mas isso não faz absolutamente nada para provar que o estupro realmente é moralmente errado. Na visão ateísta, não existe nada de errado em estuprar alguém.

Porém, valores morais objetivos existem, e no fundo todos sabemos disso. Ações como o estupro, por exemplo, não são somente atitudes socialmente inaceitáveis, são abominações morais. Algumas coisas são realmente são erradas e ao mesmo tempo algumas coisas são realmente boas.

É muito difícil uma pessoa conseguir negar a objetividade dos valores morais. Se a pessoa disser que os valores morais são todos subjetivos, que cada um tem o seu código pessoal de moralidade, a sua lista do que é ético e do que não é ético, baseado na justificativa de preservação da espécie, reprodução, evolução social, então nenhum comportamento é errado, porque todos são subjetivos, o que é certo para mim pode não ser para você. Mas é inegável que existem coisas que são de fato ruins ou boas. A moral não é simplesmente uma ferramenta de adaptação biológica ou social.

1 - Se Deus não existe, então valores e obrigações morais objetivas não existem.
2 - Valores e obrigações morais objetivas existem.

3 - Logo, Deus existe.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Por que não vender o Vaticano?!

É, acho que você não sabe absolutamente nada sobre o que está falando

Está aí um exemplo clássico e muito conhecido. Na verdade já é um clichê e tanto. Por que não vender o Vaticano e doar o dinheiro para acabar com a fome na África?!

Antes de qualquer coisa, devemos lembrar que a passagem Bíblica citada na imagem é um versículo pinçado totalmente fora de contexto. Basta você ler para quem Jesus disse isso, era um jovem rico, e não a instituição que incontestavelmente mais ajuda pessoas no mundo.

Como diria um professor de faculdade, vamos estudar antes de falar qualquer coisa. Primeiramente, não se pode vender as obras de arte do Vaticano pois são patrimônios da humanidade tombados. Seria a mesma coisa que vender a floresta amazônica. E já é sabido que a "venda" das obras de arte do Vaticano não resolveria o problema da fome na África. Vamos nos aprofundar nesse assunto agora.

Muita gente interpreta de forma errada a fome na África. Acham que o continente é pobre e sofre com a falta de dinheiro e de comida. Este pensamento está completamente equivocado. O continente africano é muito rico, possui países com uma enorme quantidade de dinheiro e riquezas, jazidas de pedras preciosas, o maior rio do mundo se encontra lá (Nilo). Então, como pode faltar água e comida num continente como esse?

Simples, a riqueza é mal distribuída pois está toda concentrada em uma pequena elite. Como é possível os governantes (ditadores, na verdade) desses países pobres serem tão ricos e não passarem as necessidades que seus conterrâneos passam? Novamente é simples de se responder, todo o dinheiro se encontra a disposição deles. Ou seja, a fome na África é um problema político e que não tem relação nenhuma com a Igreja Católica, mas mesmo assim a Igreja ajuda os países mais necessitados com recursos financeiros.

Outro ponto a ser lembrado é a diferença étnica existente nos países africanos. Quem já assistiu o filme "Hotel Ruanda" sabe bem do que estou falando. Há diferenças tribais e étnicas nos países africanos e essas tribos se odeiam ao ponto de guerrearem e matarem umas as outras. Linchamentos são frequentes nesses países, em qualquer lugar e em qualquer hora. No entanto, alguns rebeldes de algumas tribos possuem armamentos pesados de guerra (fornecidos pela maior potência mundial que não citarei o nome) e não deixam que a ajuda financeira e os alimentos cheguem às pessoas mais necessitadas, simplesmente porque são de uma tribo rival, porque possuem outra etnia.

Agora, abro um parênteses: Como esses países possuem dinheiro para comprar armamentos bélicos pesados e para encher a pança dos seus ditadores e não possuem dinheiro para alimentar a sua população que tanto sofre?!

Em outras palavras, a própria África está se matando por preconceito e por orgulho. Mesmo que seja enviada, a ajuda normalmente não chega ao destino final, sendo interceptada por rebeldes de etnias diferentes.

E tudo isso é culpa da Igreja Católica, não é?! (Usei de ironia nessa pergunta, só para constar)

Informação é tudo minha gente. Não vamos cair nas demagogias e nos "discursinhos moderninhos" cheios de falácias e emocionalismos que a mídia e alguns medíocres metidos a religiosos por aí nos impõe. É bem sabido que nenhuma instituição fez ou faz mais pelos necessitados do que a Igreja Católica.

Para finalizar, e também para confirmar o que disse logo acima, fica o vídeo. E ponto.

Você também pode gostar de