segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Refutação #2: O Livre Arbítrio e a Bíblia


Boa noite pessoas. Estamos nós de novo refutando os "argumentos" dos neo-ateus. Eu não acredito que estou fazendo isso, afinal esta provocação acima é de muito mal gosto, queria algo melhor elaborado pra destrinchar, mas foi só isso que encontrei no momento.

Antes de ler essa refutação é importante conhecer alguns outros posts desse mesmo site, por exemplo, O Mito da Religião Autoritária, que vai explicar o porque e onde essa mensagem erra.

A primeira coisa que devemos esclarecer é que neo-ateus nunca vão aprender a debater com seriedade enquanto não deixarem as provocações e a ridicularização de lado. A imagem não passa de uma provocação barata, baixa, sem qualquer conteúdo intelectual válido.

Os furos nesse "argumento" são muitos e saltam aos olhos. O livro ao que a frase se refere é a Bíblia. Entretanto, faltou um pouco de estudo ao nosso amigo que escreveu isso, pois a Bíblia não é um livro, mas um conjunto de livros. A Bíblia não surgiu prontinha assim como a temos hoje. Inicialmente ela era transmitida oralmente, quando ainda não havia a escrita. Cada livro foi escrito em uma época diferente, num contexto social, político e religioso diferente, depois ela foi compilada, organizada em capítulos e versículos, traduzida e disseminada. Isso hoje dá a oportunidade de qualquer pessoa ter uma Bíblia em sua casa.

Segundo ponto falho desse argumento é o fato de que a existência da Bíblia não contradiz em ponto nenhum o livre arbítrio, da mesma maneira que as Leis não tiram a sua liberdade de cidadão. Deus nos deu o livre arbítrio e a Bíblia, porém um não anula e nem contradiz o outro. Fazendo uma analogia simples, podemos ver o tamanho dessa asneira que está escrita na imagem. "Você tem a liberdade como cidadão, mas também tem milhares de Leis pra você seguir se não quiser ir para a cadeia." É impossível considerar isso algo válido.

Realmente, Deus nos deu a Bíblia sim, mas a liberdade é sua de seguir ou não o que ela orienta. Aliás, esse é um ponto a ser ressaltado, a prática religiosa não obriga, mas aconselha. Isto é explanado mais detalhadamente no meu outro post chamado O Mito da Religião Autoritária. A Bíblia não obriga, mas aconselha o que vale a pena ou não e ainda explica o porque. No entanto, a palavra final será sempre nossa em aceitar o aconselhamento ou dispensá-lo.

Outra coisa que os ateus não sabem e, justamente por não saber, ficam espalhando mentiras a respeito é sobre a questão do Inferno. Não sabem o que é o Inferno nem sequer do que se trata. Para estes neo-ateus mais desinformados, indico meu outro post chamado Pecado e Inferno. Aprendam isso de uma vez por todas, meus caros: Deus não manda ninguém para o Inferno! Somos nós que decidimos se queremos ir para lá ou não. É inválido e injusto atribuir a responsabilidade de nossas escolhas à Deus. Sejamos honestos ao menos uma vez na vida a ponto de assumir que somos nós quem fazemos nossas escolhas e também somos nós que devemos arcar com as responsabilidades e as consequências decorrentes.

E é para isso que existe a Bíblia, que é a orientação de Deus para termos uma vida melhor. Para que possamos aprender a fazer sempre as melhores escolhas, nos direcionando sempre para um caminho de vida. Cabe a nós optar por segui-la ou não, afinal somos livres para escolher isso também.

Você também pode gostar de