sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Ex-bbb xinga muito no Twitter

Boa noite, caros leitores. Estou aqui hoje para dar meu parecer a respeito das declarações do ex-bbb e "deputado" Jean Wyllys, feitas através de seu Twitter recentemente.

O ex-bbb fez diversos ataques pessoais ao Papa Bento XVI através da rede social, mencionando em todos eles o Twitter do Pontífice, criado recentemente. Entre os ataques, o ex-bbb disse que a Igreja apoiou a escravidão, o nazismo, entre outras coisas.

Vejam na imagem abaixo os tweets feitos pelo nosso "querido" ex-bbb. Sugiro que ampliem a imagem para ler com maior facilidade.


Primeiro, quero deixar claro porque motivo não chamo Jean Wyllys de deputado. Ele não foi um representante escolhido pelo povo, pelo menos não de maneira legítima. Sua quantidade de votos foi insignificante, mas ele foi eleito por meio do coeficiente eleitoral. Por essas e outras que eu sou contra o coeficiente eleitoral. Jean Wyllys não me representa e não representa a nação brasileira.

Não tenho intenção nenhuma de refutar as acusações feitas pelo ex-bbb em seus tweets, visto que tudo o que ele disse já foi refutado diversas vezes em diversos lugares. Basta um mínimo de estudo e de conhecimento histórico para saber que o que ele diz nos seus tweets não passam de mitos históricos inventados para caluniar a Igreja e o cristianismo.

A igreja jamais apoiou a escravidão ou o nazismo. Muito pelo contrário, a Igreja foi a primeira instituição a se manifestar contra isso tudo. Há cartas dos Papas da época que provam isso. Também encontramos declarações de pessoas de fora da Igreja que confirmam isso. Não vou me concentrar em responder às acusações dele, baseadas em ignorância histórica e ódio ao cristianismo.

A questão à qual quero me ater é a maneira como ele usa da imagem do Papa para promover a sua própria. Desde que o Papa adentrou ao universo das redes sociais, o ex-bbb tem destilado seu veneno de ódio e intolerância incessantemente contra os cristãos.

Em todos os tweets ele menciona o Pontífice, talvez numa esperança infantil de que o Papa possa ver o que ele diz. Quem dera se realmente fosse essa a intenção do ex-bbb.

É fácil perceber que o ex-bbb quer somente se promover às custas do Papa. Mas ele não quer se promover para que o Papa veja, mas para que a comunidade LGBTWXYZ (e quantas mais letras quiser) veja. Ao criticar a Igreja e atacar o cristianismo dessa maneira ele espera que seus companheiros de ideologia o vejam como uma pessoa que tem coragem de enfrentar tudo e todos pela causa, inclusive o mais importante líder religioso do mundo, o Sumo Pontífice.

Bem, enquanto Jean Wyllys demonstra sua total ignorância histórica e exibe sua falta de conhecimento, eu não me canso de rir. Infelizmente não posso deixar passar em branco tamanha estupidez. Tive de comentar sobre isso. Me senti quase que obrigado.

O fato que mais me incomoda é algumas pessoas levam à sério as bobagens que esse cara diz. Estou cansado de ver esse ex-bbb metido a intelectualzinho de esquerda manifestar seu ódio contra os cristãos escondido sob uma propaganda de "luta pela tolerância". No fundo, todos esses militantes da ideologia gayzista são idênticos aos militantes neo-ateístas e anti-religiosos. Fazem uma falsa propaganda de si mesmos dizendo lutar pela liberdade, pela tolerância, pela igualdade, etc. Mas perseguem os cristãos ao ponto de criar até leis que cerceariam sua liberdade de expressão. Engraçado isso, não acham?

Lutam pela liberdade tirando a liberdade dos outros. Exigem tolerância sendo intolerantes. Há uma contradição claramente visível nisso tudo. Vale tudo em nome da causa, até mesmo ofender o Santo Padre e caluniar a Igreja.

Tenho que me conter, afinal qualquer coisa que se diz contra esses caras é motivo para te chamarem de intolerante, preconceituoso, nazista, fascista, homofóbico e muitos outros adjetivos. Eu mesmo já fui ameaçado de ser processado por um desses militantes. Todos vocês sabem que sou muito educado em meus textos. Meu objetivo não é ofender ninguém, e sim defender a Verdade.

No mais, queria dizer que é do meu profundo desejo que esse esquerdopata desapareça da Câmara Federal o quanto antes. Repito: ele não me representa e não representa o Brasil. Se não fosse pelo maldito coeficiente eleitoral, Jean Wyllys (e muitos outros) não seria eleito deputado.

Sinceramente, não sei o que esse ser está fazendo em Brasília. Por mim, ele poderia voltar para o esgoto de onde veio, o Big Brother.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

O Brasil é Socialista!





"Ãh? Como assim? Mas o Brasil não é capitalista?" - Aluno do Ensino Médio sobre o socialismo no Brasil.

"Eu não sei de nada!" - Lula sobre o socialismo no Brasil

Tá tudo vermelho, minha gente!

É isso mesmo, caros leitores. O Brasil já é socialista e quase ninguém percebeu ainda. É claro, há uma explicação para isso. A revolução está acontecendo de maneira silenciosa, encoberta, e, aos poucos, o Brasil está se transformando em um país comunista.

O alemão Karl Marx é o pai do comunismo. Foi ele quem idealizou esses sistema de governo, escrito em seu livro "O Manifesto Comunista". Marx dizia que os trabalhadores (ou proletários, como ele os chamava) eram oprimidos e explorados pelo sistema e por aqueles que tinham os meios de produção (os burgueses, como ele os chamava). Essa exploração do homem pelo próprio homem era para Marx como o próprio inferno, mas um dia ela teria seu fim. Isso aconteceria quando o proletariado se unisse para tomar o poder e pôr fim à exploração, ou seja, ao capitalismo. A isso chamamos de revolução.

Para Marx, o grande problema da sociedade era o capitalismo e a propriedade privada. Então, se eliminássemos os dois, teríamos o paraíso aqui na terra. Esse é o grande objetivo do comunismo, instaurar um paraíso na terra. O problema é que, para os comunistas, não interessa muito o meio para atingir esse fim, desde que o fim seja atingido.

Essa era a teoria de Marx. Na teoria, ao derrubar o capitalismo e a propriedade privada e instaurar o comunismo, tudo seria perfeito, um Céu na terra. Na civilização oriental o comunismo foi instaurado em diversos lugares, como na URSS, por exemplo. Mas no ocidente o buraco era mais embaixo, se é que você me entende.

A maneira de Marx para instaurar o regime comunista não estava dando resultado aqui no ocidente. Então os comunistas tiveram que mudar de estratégia. É aí que Antônio Gramsci entra na história.

Aqui no ocidente os marxistas encontram enormes dificuldades. A ideia da revolução armada não funcionava, pois havia uma cultura muito sólida na civilização ocidental. Basicamente, são três pilares que constituem a civilização ocidental: a filosofia grega, o direito romano e a religião judaico-cristã. Esta última era (e ainda é) o maior problema dos marxistas. A grande questão era: como fazer para derrubar esses três pilares e enfraquecer a civilização ocidental?

Gramsci foi mais esperto que Marx. Para que usar a força bruta se podemos usar a cabeça? Nada de revolução armada, vamos fazer uma revolução cultural! Vamos mudar a mente das pessoas, depois fica muito mais fácil de tomar o poder e mudar o sistema! Eureka!!!

Assim nasceu o marxismo cultural, que é o que está ocorrendo no Brasil hoje. E como ele funciona? É simples! Basta transformar a mentalidade da população e depois tudo fica muito mais fácil. É necessário fazer uma lavagem cerebral na população, causar uma amnésia histórica em suas mentes, fazer com que eles esqueçam suas raízes, suas origens. Feito isso, algumas décadas e o comunismo já está em vigor!

Ora, se você quer transformar a população, não há melhor lugar do que as escolas. Infiltre-se no ensino, encha-o com ideais comunistas e a próxima geração estará pensando exatamente como você. É tudo uma questão de tempo.

Alguns indícios de que isto está acontecendo no Brasil:

Estado grande e poder centralizado

Características típicas de uma ditadura comunista. Nada é maior que o Estado. Hoje, as grandes decisões sempre ficam nas mãos do governo federal. O poder executivo e legislativo estadual e municipal já não possui influência alguma. A única coisa que os governos estaduais e municipais conseguem fazer hoje é reajuste de passagem de ônibus. E mais nada.

Estado intervencionista

Ao contrário do capitalismo, que têm o Estado mínimo que somente modera as relações da sociedade, o comunismo tem como característica o Estado intervencionista, isto é, o governo decide e intervém em tudo, inclusive na privacidade do ser humano. O governo brasileiro hoje decide até mesmo como nós devemos educar nossos filhos. Indico a leitura do artigo Esfera Pública e Esfera Privada.

Emburrecimento massivo da população

Para acabar com o pilar da filosofia grega na civilização ocidental é necessário emburrecer o povo. A maioria dos brasileiros se tornaram mulas falantes por causa do excesso de televisão e futebol. O ensino brasileiro é péssimo, um dos piores do mundo. O brasileiro não lê, muitos nem sabem, e os que sabem não exercem.

Ódio à religião e aos religiosos

Isso é evidente no país hoje. Pegue qualquer livro didático de história e veja o que se diz sobre a religião hoje nas escolas. Pregam o ateísmo, a anti-religiosidade. Fazem as crianças crescerem com ódio da religião, do cristianismo especificamente. Ridicularizam Deus, desmoralizam os religiosos, fazem com que eles sejam mal vistos, considerados gente burra e estúpida, sem inteligência. Em contraste, enaltecem o ateísmo e o cientificismo, se apropriam da razão e da ciência. Falam que a religião causa atraso na humanidade, que a religião só causa guerra, que emburrece as pessoas e que precisa ser eliminada.

Destruição da família

Destruição da instituição familiar tradicional. Basta afirmar que a família é uma instituição opressora, patriarcal, antiquada, ultrapassada. Dizer que o autoritarismo começa na família, pois ela é patriarcal, que o homem oprime a mulher, etc. Fazer apologia à sexualidade desregrada, distribuição de preservativos, conotação sexual em todo e qualquer lugar.

Cultura de morte

Defesa do aborto, eutanásia, e toda essa cultura terrível de morte.

Meio acadêmico

É necessário também formar a próxima geração de formadores de opinião. Os comunistas se infiltraram em nossas universidades. Hoje quase todos os professores universitários são marxistas, e os alunos os seguem. Assim, as próximas gerações de intelectuais defenderá ávidamente o marxismo, sendo que esse grupo tem uma influência excepcional na população.

Ódio ao capitalismo

Nossos jovens são ensinados já nas escolas a odiar o capitalismo. Os livros didáticos, todos escritos de acordo com a cartilha marxista, ensinam as crianças e jovens a odiar o capitalismo. Dizem que a fonte de todos os problemas sociais é o capitalismo.

Todos os partidos são de esquerda

Todos os partidos políticos do país são esquerdistas. Não há nenhum partido de direita no Brasil, somente partidos socialistas ou comunistas. Não há conservadores, não há direitistas, somente marxistas. Na hora da eleição temos que escolher aqueles que são menos piores, ou menos socialistas.



É fácil notar que não há transformações econômicas, somente transformações culturais. Justamente por que o sistema Gramsciano exige primeiro uma transformação cultural e depois econômica.

O objetivo desse artigo é acordar a população. Aos que desejam se informar melhor eu indico este vídeo:


Indico também o curso do Pe. Paulo Ricardo de Azevedo Jr:


terça-feira, 13 de novembro de 2012

Crítica #6: "O Estado laico seja louvado" e o Efeito Papagaio

Como eu havia dito no post anterior a esse, "a retórica é a grande arma dos sofistas". E ainda tem gente que não acredita nisso.

Já ouviram falar no "Efeito Papagaio"? Pois então, vou explicá-lo a vocês. Funciona basicamente assim: a pessoa memoriza uma frase que ouviu muitas vezes por aí, faz disso uma espécie de mantra, uma profissão de fé, e sai repetindo a todo momento essa mesma frase. Simples, não é?

A frase do momento é "O Estado é laico". As pessoas não se cansam de dizer isso. Não importa quantas vezes você demonstre que a pessoa está errada, ela insiste em repetir o seu mantra, como se fosse uma oração.

A personificação do "Efeito Papagaio"

"Ah, mas o Estado é laico!", e você argumenta e demonstra que a pessoa está enganada. "Ah, mas o Estado é laico!", e você demonstra novamente. "Ah, mas o Estado é laico!", e você se dá ao trabalho de demonstrar novamente. E o efeito papagaio se concretiza.

Não sei se vocês se recordam, mas escrevi um artigo deveras polêmico sobre este mesmo tema há um tempo atrás. Foi quando a Liga Brasileira de Lésbicas (LBL) pediu a retirada de crucifixos e símbolos religiosos das repartições públicas no RS. Você pode ler este artigo clicando aqui. A questão é a mesma, os argumentos usados também são os mesmos, só que agora ganharam uma roupagem nova.

Para provar que os argumentos desses papagaios são pura retórica, deixo para vocês o link da notícia publicada no G1. Leiam e tirem as suas conclusões. O procurador, ao invés de argumentar de maneira consistente, usa de exemplos. Ora, quer mais retórica do que isto? Não há como!


O único argumento utilizado pelo procurador (e pela torcida do Corinthians) é a mesma frase de sempre. O Estado é laico. Não vou me dar ao trabalho de escrever novamente a definição de Estado laico aqui no blog, então vou fazer uma citação onde expliquei isto no post que falava sobre a retirada de crucifixos e símbolos religiosos em locais públicos. Afinal, o efeito papagaio me obrigou a isso.

"Muitos defendem essa causa sob a afirmação de que "vivemos em um Estado laico". Mas poucos sabem, de fato, o que é um Estado laico. O termo "laicidade" significa neutralidade, e ser neutro não é a mesma coisa que ser ateu. Vivemos em um Estado laico, mas não em um Estado anti-religioso ou ateu. O Estado laico serve para garantir a liberdade de expressão religiosa, e não para proibi-la. Também vale lembrar que, para os ateus, agnósticos ou os que professam uma outra fé, aquele símbolo na parede nada representa, é como um quadro ou uma obra de arte. Não influencia em nada nas decisões do poder público."


Entendam de uma vez por todas, meus caros: o Estado é laico, mas a população e a cultura é cristã. Meu Deus do Céu, será que é tão difícil compreender isso?

Vocês deveriam ter no mínimo um pouco de gratidão para com a Igreja e para com o cristianismo. Foi o cristianismo que construiu a civilização ocidental, de modo especial a Igreja Católica. Toda a constituição, a Lei e os direitos que você possui hoje são derivados do Direito Canônico. Se você conseguiu se formar em uma faculdade, ou ainda cursa alguma, agradeça ao cristianismo. Até o champanhe que você estoura no fim de ano foi idealizado por monges cristãos.

As obras cristãs são tantas e tão numerosas hoje que sem elas a humanidade não subsistiria.  O número de escolas, creches, asilos para idosos, leprosários, universidades, hospitais é tão grande e essas obras são tão essenciais para a sociedade hoje que posso dizer com convicção: sem o cristianismo a sociedade ocidental não seria nada. A Igreja está aí para fazer aquilo que o seu idolatrado Estado laico não consegue sozinho. O Estado depende da Igreja.

Há uma outra citação, do mesmo post, que também acho interessante compartilhar.

"Imagino qual será o próximo passo da LBL e dos neo-ateus que suportam essa lei da intolerância religiosa. Talvez queimar a constituição, que foi promulgada "sob a proteção de Deus". Ou talvez rasgar dinheiro, não é? Afinal, está escrito "Deus seja louvado" na cédula. Mudar o nome de ruas e praças, como a Praça da Sé. Mudar o nome de cidades, como São Paulo. Mudar o nome de estados, como Espírito Santo. Retirar os feriados religiosos, como o Natal e a Páscoa. Fechar a PUC, as universidades, colégios e hospitais Católicos, considerados os melhores do país. Acabar com as obras sociais da Igreja, como a Pastoral da Criança. Ou ainda, quem sabe, implodir o Cristo Redentor?!"

Acredito que de todos os exemplos citados acima o único que eles não querem é retirar os feriados. Mas enquanto não encontrarem uma cura para o efeito papagaio, eu não me cansarei de defender a verdade e aquilo que é certo.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Os Sofistas - A Paixão Pela Opinião e a Obsessão Por Estar Certo


Eles estão por todo o lado. Está raro de encontrar alguém que não se encaixe nesse perfil sofista. São poucos os que se abrem para a verdade hoje, até porque este não é mais o objetivo.

Bem, hoje vou falar sobre algo que muito me preocupa, o sofismo. É um problema grave que se inicia na desonestidade intelectual e moral e se fortalece na falta de estudo. Uma pessoa íntegra, honesta e sincera, consigo mesma e com os outros, não é capaz de cair na armadilha do sofismo.

Todos conhecem a definição mais clássica e básica de filosofia. Etimologicamente, Filosofia é o amor pela sabedoria. O filósofo busca a verdade nas questões mais elementares e mais sublimes da vida. Ele deve estar aberto para questionar tudo, para colocar em xeque todas as questões, das mais simples às mais complexas. Temos, a exemplo disso, Descartes, que duvidou até da existência de si mesmo. Foi assim que ele conseguiu desenvolver o famoso silogismo do "Cogito, ergo sum", ou "Penso, logo existo". Talvez o "Penso, logo existo" seja a primeira coisa que uma pessoa se lembra quando ouve falar de filosofia. Os filósofos da Grécia antiga levavam tão a sério essa questão da busca pela verdade que as vezes isso lhes custava a própria vida.

O sofista, diferentemente do filósofo, é um cara que pensa ser um pensador. O objetivo do sofista não é a busca genuína pela verdade, mas a busca por estar certo. É o que eu chamo de "Obsessão por Estar Certo".

Mas vamos às raizes das coisas. Costumo dizer, e cada vez mais vejo que tenho razão a respeito disso, que as pessoas hoje escolhem defender uma opinião assim como escolhem defender o seu clube de futebol, principalmente quando o assunto é religião.

Vamos usar a própria religião como exemplo. As pessoas escolhem sua religião da mesma maneira e com os mesmos critérios que usam para escolher o time de futebol que vão torcer. Eu sou palmeirense (sem piadas, por favor) porque meus pais são palmeirenses, e isto é um bom motivo para mim. Isso é completamente aceitável quando falamos sobre algo pouco importante como o futebol. Agora, quando o assunto é algo realmente importante, como religião ou cosmovisão, a coisa muda de figura. Não podemos escolher uma determinada cosmovisão e defendê-la como sendo correta simplesmente porque nossos pais também a defendiam. Isso seria ridículo!

Quando eu discuto sobre futebol (o que não é o meu forte), uso de todos os artifícios para tentar convencer o interlocutor de que o meu time, no caso o Palmeiras, é melhor do que o dele. Posso usar até mesmo de argumentos intelectualmente desleais nesse caso. Veja bem, escolher um time de futebol é uma coisa, escolher entre ser ateu ou ser teísta é outra completamente diferente. Uma não tem a mínima importância e não influencia absolutamente em nada na sua vida e no seu comportamento, a outra pode dizer muito sobre você.

Aí me vem uma criança de 14 anos me dizendo ser ateísta e que a religião é o "ópio do povo". De certo esse menino não sabe nem quem disse essa frase. Eu digo sem hesitar: é impossível que um menino de 14 anos possa defender o ateísmo ou qualquer outra cosmovisão com solidez. Querem saber por que? Porque essa pessoa ainda não teve sequer tempo suficiente para refletir sobre o assunto, ler os textos fundamentais sobre essas questões e formar uma opinião em sua mente.

Não digo que uma pessoa não possa ser atéia ou teísta aos 14 anos, mas digo que ela jamais conseguiria defender essas cosmovisões com base filosófica consistente, pois não houve tempo suficiente para esta pessoa se instruir sobre o tema. Então o menino de 14 anos cria uma página ateísta na internet fazendo duras críticas à Bíblia e dizendo que os textos bíblicos são contraditórios ou que defendem coisas abomináveis. Então eu me pergunto: será que este guri já leu a Bíblia? É fácil concluir que não, pois não houve sequer tempo suficiente para que ele lesse, quanto mais para que estudasse exegese. Pode ser que ele tenha lido alguns trechos, um ou dois livros no máximo, mas pouca coisa para poder afirmar com propriedade as coisas que afirma.

É fácil de enxergar nisso uma "Paixão pela Opinião", um desejo de estar certo a qualquer custo. É isso que vemos aos montes por aí, em todos os lugares. O que vale é vencer o debate, mesmo que para isso seja necessário o uso de falácias ou de argumentação desleal. A retórica é a grande arma dos sofistas.

A busca honesta e sincera pela verdade morreu. Os sofistas buscam não a verdade, mas desculpas para justificar suas opiniões. O caso do aborto é um exemplo claro disso. O aborto é um claro atentado à vida. Ainda sim existem pessoas que procuram a qualquer custo alguma coisa que justifique o aborto, alguma desculpa que possa ser usada para que elas não precisem assumir que estavam erradas e aceitarem a verdade.

Durante a adolescência e juventude é plenamente aceitável que alguém diga que é teísta ou ateísta porque os pais são. Mas depois desse período, já atingida a idade da razão, isso se torna não um motivo, mas uma desculpa. Não consigo entender como as pessoas conseguem viver suas vidas inteiras sem refletir sobre as questões fundamentais da vida humana. Cada vez mais as pessoas têm preguiça de pensar, de ler, de estudar.

Quero deixar algo bem claro aqui neste post: eu não defendo o teísmo simplesmente, eu defendo a verdade. Não defendo uma opinião em si, mas defendo a verdade. Meu objetivo não é vencer debates, ou parecer verossímil em meus discursos e meus textos. Minha meta é conhecer. Se eu descobrir que estou errado, assumo meu erro e volto atrás, como um bom aprendiz. O problema é que muita gente hoje, mesmo sabendo que está errada, ainda insiste em defender a opinião. Veja que a "Paixão pela Opinião" e a "Obsessão por Estar Certo" tomam forma.

Se eu fosse usar dos métodos filosóficos para escolher meu time de futebol eu compraria hoje mesmo minha camisa do Barcelona. Mas com futebol não é assim.

Quando se trata de assuntos filósficos sérios, como cosmovisão, por exemplo, não podemos nos comportar como torcedores de arquibancada. Não podemos nos apegar a conceitos. Sinceridade intelectual nessas horas é fundamental. Devemos buscar a verdade, mesmo que isso custe sair de nosso egoísmo, reconhecer nosso erro e abandonar nossas opiniões equivocadas. 

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

sábado, 3 de novembro de 2012

Especial Cinco Vias de São Tomás de Aquino - 5ª Via - O Design Inteligente


Já visitou nossa página oficial no Facebook? Ainda não? Está esperando o que? Está bombando, com milhares de visualizações todos os dias! Não fique fora dessa!



Chegamos ao último post do especial das cinco vias. Fico muito feliz por ter a oportunidade de transmitir esse conhecimento a todos vocês. Acredito que nosso trabalho está sendo de bom proveito para vocês, caros leitores. As visualizações não param de aumentar mês a mês. Agradeço a cada um que contribui para o crescimento desse blog.

sábado, 13 de outubro de 2012

Especial Cinco Vias de São Tomás de Aquino - 4ª Via - A Via da Perfeição


Olá amigos leitores!

Hoje daremos continuidade ao nosso especial com a quarta via de prova da existência de Deus, de Santo Tomás de Aquino. Antes disso, acho importante refrescar a memória de vocês. Segue abaixo os links das postagens com as vias anteriores:


É altamente recomendável ler os três posts antes de iniciar a leitura deste.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Especial Cinco Vias de São Tomás de Aquino - 3ª Via - A Via da Necessidade e Contingência


Bom dia, boa tarde ou boa noite a você, caro leitor do blog "O Religioso Crítico". Hoje darei continuidade ao especial que iniciei no mês passado (setembro). Muitas pessoas estão gostando dos textos e me agradecendo por disseminar a informação bem mastigada para facilitar o entendimento, como tenho feito nesse especial. Isso está me deixando muito contente e motivado para continuar a escrever. Entretanto também tenho uma vida lá fora, então não posso me dedicar ao blog mais do que tenho feito ultimamente. Se talvez um dia eu ficar muito rico eu prometo me dedicar mais ao blog (hahaha).

Voltemos ao artigo de hoje, que vai tratar sobre a terceira via, a Via da Necessidade e Contingência, que posteriormente deu origem ao que conhecemos hoje por Argumento Cosmológico. Recomendo aos leitores que ainda não leram os artigos anteriores sobre a primeira e segunda vias, que os leia antes de prosseguir.

sábado, 22 de setembro de 2012

Especial Cinco Vias de São Tomás de Aquino - 2ª Via - A Via da Causa Eficiente


Olá, caros leitores do blog! Daremos continuidade ao especial do mês de setembro com o segundo post tratando sobre a 2ª via de prova da existência de Deus, escrita por São Tomás de Aquino em seu maravilhoso livro, a Suma Teológica.

Neste post estudaremos, de maneira simples e objetiva, a segunda via, conhecida como o argumento da causa eficiente. O argumento é bem simples, e contém alguns elementos que já foram estudados no primeiro post deste especial, Especial Cinco Vias de São Tomás de Aquino - 1ª Via - A Via do Movimento. Santo Tomás de Aquino diz que esta via baseia-se na causa eficiente. Vamos então aos textos...

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Especial Cinco Vias de São Tomás de Aquino - 1ª Via - A Via do Movimento






Nesse mês de setembro traremos a vós, caros leitores, um especial cheio de bom conteúdo. Serão cinco postagens especiais com o tema "As Cinco Vias de São Tomás de Aquino". Em cada um dos posts trataremos sobre uma das vias, de maneira simples e direta, com direito a citações da magnifica obra de São Tomás de Aquino, a Suma Teológica.

Espero que aproveitem o bom conteúdo intelectual, comentem e divulguem!! Obrigado e fiquem com Deus!!

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Abortem o Aborto!

Curta nossa página no Facebook.



E como prometido...

No post Aborto de Anencéfalos: A Eugenia Nazista no Brasil, eu disse que faria um outro post tratando sobre o tema "aborto" de uma maneira geral. Quando aconteceu do Supremo Tribunal Federal (STF) aprovar a legalização do aborto de fetos anencéfalos, no dia 12 de abril desse ano, eu escrevi um artigo explicando porque a decisão era precipitada, mal pensada e porque eu era totalmente contra. Me perguntaram se eu era contra o aborto de anencéfalos. Eu disse que, primeiramente, sou contra o aborto de uma maneira geral, e que escreveria sobre isso no blog algum dia. Então, eis que esse dia chegou.

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Terroristas Neo-ateus divulgam dados de Snowball na Internet

Exatamente, terroristas!! Porque sinceramente não vejo outra definição que encaixe tão perfeitamente nas características de sujeitos que, sem qualquer motivo aparente, tomam uma atitude dessas.

Foram divulgados na internet todos os dados do blogueiro apologista "Snowball", muito conhecido na internet por ser o dono do blog mais essencial de apologética cristã. O link do blog neo-ateu que publicou as informações está aqui: neoateismo.wordpress.com

sábado, 4 de agosto de 2012

1 ano de "Religioso Crítico" - Um "Top 10" especial!


Olá amigos leitores! É isso mesmo que vocês estão vendo! O blog "O Religioso Crítico" estará completando  1 ano no dia 14 de agosto de 2012. Eu sei que ainda faltam alguns dias e é um pouco cedo para comemorar, mas não me contive.

Neste um ano de doses cavalares de filosofia, apologética e bom conteúdo intelectual, tivemos quase 50 artigos sobre temas diversos, uns mais polêmicos, outros nem tanto assim. Graças aos nossos maiores parceiros, podemos levar bom conteúdo apologético à centenas de pessoas. Agradeço de antemão todos os nossos parceiros que ajudaram a divulgar nosso trabalho. Entre eles, é importante citar os blogs Respostas ao ateísmo e o Apologética Divina, que formaram conosco uma aliança que nos ajudou muito na divulgação de nossas ideias.

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Por que eu modero comentários

Curta a nossa página no Facebook
Leia o último post: Quem criou Deus?

Nos últimos meses o crescimento do blog "O Religioso Crítico" foi notável. As visualizações dispararam, o número de likes na página do Facebook atingiu um valor que jamais imaginei que fosse atingir e os comentários nos artigos têm sido bem mais recorrentes.

Frente a essa evolução (não a evolução de Darwin =D) uma pergunta foi dirigida aos editores do blog: "Por que vocês moderam os comentários? Se vocês são a favor da liberdade de expressão e a defendem a todo custo, por que moderam os comentários que os leitores escrevem?" A pergunta é pertinente e será respondida aqui neste post.


terça-feira, 17 de julho de 2012

Quem criou Deus?

Mais de duzentos "curtir"

Primeiramente queria agradecer à todos que curtiram nossa página no Facebook. Já alcançamos o incrível número de 221 Likes na página. Quero agradecer à todos os leitores do blog, aos que divulgam nosso trabalho e aos que o apreciam. E para comemorar os mais de duzentos seguidores temos um post carregado de bom conteúdo logo abaixo. Aproveitem!!

Curta a nossa página no Facebook: O Religioso Crítico no Facebook.
Já leu o meu último post? Aproveite e o leia também: Tem gente que acha que animal é gente.


Recentemente moderei um comentário que me fez rir. O comentário foi feito anonimamente no post O Argumento Cosmológico. Pra quem não conhece, o Argumento Cosmológico é usado há séculos por apologistas cristãos, desde São Tomás de Aquino até hoje. Na minha opinião, é um dos melhores, senão o melhor argumento favorável à existência de Deus.

O comentário era sucinto, e dizia o seguinte: "Quem criou Deus?"

Ao ler o comentário minha reação foi instantânea. Comecei a rir. Mas logo depois me lembrei de como eu tinha dificuldade em lidar com este tipo de pergunta antes, quando eu não conhecia a apologética cristã. Então decidi dedicar um artigo para "responder" à essa pergunta tão elementar e ao mesmo tempo tão difícil.

Vejam que coloquei a palavra "responder" entre parênteses, pois na verdade essa questão não pode ser respondida. Trata-se de um erro na formulação da questão. Veremos isso mais adiante.

Se pararmos para pensar, vemos que a pergunta até tem um pinguinho de pertinência. Toda pessoa já se perguntou isso alguma vez na vida, e se ainda não o fez, ainda fará. Lembro que meu irmão fez essa pergunta aos meus pais quando ainda era uma criança, não sei dizer ao certo, mas ele devia ter em torno de 10 anos, talvez menos.

A pergunta é simples e pequena, mas seu tamanho esconde um potencial muito grande. Os neo-ateus usam este tipo de pergunta como se fosse a mais poderosa dúvida a respeito de Deus.

Chega de blá blá blá... e vamos responder!!

Recomendo que leia o artigo sobre O Argumento Cosmológico antes de continuar, ou ao menos leia o silogismo abaixo:


- Primeiro: do nada, nada se cria, pois o nada não existe;
- Segundo: tudo o que passa a existir têm uma causa;
- Terceiro: o Universo têm uma causa, não pode simplesmente ter acontecido do nada;
- Quarto: esta causa tem que ser não-causada, atemporal, aespacial, imaterial, poderosa e pessoal;

- Logo, podemos concluir de longe que a explicação mais plausível para a origem do Universo é Deus.


O interlocutor tenta regredir um pouco mais no argumento. Se o Universo tem uma causa, então Deus também deve ter uma causa, afinal tudo o que existe tem uma causa. Assim o neo-ateu pensa ter demolido toda a sua argumentação. Logicamente, os pensadores que faziam uso desse argumento pensaram nessa possibilidade. Se até uma criança de dez anos pode se questionar a respeito disso, não duvido que grandes pensadores como São Tomás de Aquino não o tenha feito também.

O erro fácil de ser cometido assim como é fácil de ser encontrado. Basta reler o argumento. A questão se refere à segunda premissa do argumento. A premissa diz que "tudo o que passa a existir tem uma causa", ou seja, tudo o que começa a existir tem uma causa, ou ainda, tudo o que um dia vem a existir tem uma causa.

A confusão é feita exatamente nessa premissa. O neo-ateu se engana pensando que a premissa diz que "tudo o que existe tem uma causa" quando, na verdade, ela diz que "tudo o que passa a existir tem uma causa". Dessa maneira fica muito mais fácil de responder à pergunta inicial.

Afinal, o que causou Deus?

Deus é o que chamamos de "causa incausada", no caso do Argumento Cosmológico. Deus é eterno, então não pode ter um início, Ele sempre existiu, sempre esteve lá. Não há sentido lógico algum em questionar a causa de algo que sempre existiu. Na Bíblia encontramos a seguinte passagem no Evangelho segundo São João: "No começo a Palavra já existia: a Palavra estava voltada para Deus, e a Palavra era Deus" (Jo 1,1).

A questão é totalmente destituída de sentido lógico. Como eu disse acima, trata-se de um erro na formulação da mesma. Se o eterno não tem causa, pois sempre existiu, então perguntar a causa de algo que é eterno é a mesma coisa que perguntar quantos lados tem um círculo, ou quem é a esposa do solteiro.

Tudo se trata de uma confusão na interpretação do argumento. O argumento afirma que tudo o que começa a existir tem uma causa, e não que tudo o que existe tem uma causa. Assim, eliminamos de vez esse questionamento que parece ser, para os neo-ateus, o maior pesadelo dos cristãos em toda a história.

Para finalizar, deixo um vídeo onde o Dr. William Craig responde à essa pergunta e explica mais resumidamente o engano contido nela. Bom proveito!!


quinta-feira, 14 de junho de 2012

Kit Gay ataca novamente! e a Homocracia no Brasil

Nota importante: Esta minha postagem foi denunciada recentemente e devido a essa denúncia seu conteúdo foi editado. Não adianta querer me denunciar por causa do vídeo usado. O vídeo não é meu, é do deputado Jair Bolsonaro. Se você sentiu que seus direitos foram feridos nesse vídeo, denuncie o vídeo e o autor do vídeo em questão. Muitos vêm acusando que o vídeo usado foi editado e por isso seu conteúdo está fora de contexto. Teimo em discordar. Acho muito difícil encaixar qualquer contexto que mude o significado do que foi dito. E mesmo que esteja fora de contexto, ninguém me apresentou o link de um vídeo na íntegra, para que eu pudesse fazer uma análise mais completa.

Por questões de segurança achei mais seguro excluir essa publicação. Melhor manter o blog no ar com todas as outras mais de 50 publicações do que perdê-lo por uma. Depois de uma reedição este post poderá ser novamente publicado. Enquanto isso, peço encarecidamente que aguardem.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Falácia do Espantalho e a Caricatura de Deus

Já leu o meu último post? Então leia:Aborto de Anencéfalos: A Eugenia Nazista no Brasil.

Nas últimas semanas eu tenho encabeçado algumas discussões e debates pelo facebook, através da página do site e através de meu perfil pessoal. Alguns desses debates foram realmente muito proveitosos, outros nem tanto. Mas o mais importante de tudo é que percebi uma falha muito grande, um assunto muito importante que me esqueci de abordar no site e que realmente não pode faltar em nosso acervo de artigos. Esse assunto é a conhecida Falácia do Espantalho.

Venho concentrando esforços ao longo desse ano em um projeto que pretendo concluir e apresentar à vocês, caros leitores, até o mês de julho. Se trata de um guia básico de falácias, onde irei tratar sobre argumentos falaciosos usando somente exemplos ateístas e neo-ateístas. Em outras palavras, será um guia de falácias neo-ateístas. Entretanto, algumas falácias de maior importância (como falácia do espantalho, o ad hominem e a falsa dicotomia, por exemplo) não podem esperar até julho para serem explanadas. Levaria muito tempo para tratar temas prioritários. Neo-ateus as usam com frequência e as pessoas têm que aprender a se defenderem disso. Outras falácias menos comuns podem esperar.

Bem, vamos ao que interessa. O esquema é simples: a explicação da falácia vem primeiro e logo em seguida vêm os exemplos. Então, vamos compreender como funciona a falácia do espantalho:

O nome Falácia do Espantalho é muito curioso, mas sua explicação é bem simples. Antigamente, para treinar os exércitos, usava-se bonecos de palha em forma parecida com a humana. Assim era muito mais fácil de se treinar, afinal seu oponente não pode se defender nem atacar. Trazendo para os dias atuais, podemos citar os lutadores de artes marciais que treinam naquela espécie de boneco de borracha (que infelizmente não sei o nome, se alguém souber, por favor, me ajude!). O boneco não vai se defender nem atacar, então é perfeito para o lutador treinar seus golpes.

A técnica funciona basicamente assim: alguém usa um argumento para defender uma determinada posição, e esse argumento é realmente muito forte. O interlocutor então se dá conta de que não será capaz de derrubar esse argumento, então apela para um uso desleal da inteligência. Ele distorce o argumento oferecido, transformando-o em um argumento fraco e fácil de ser refutado. Então ele derruba esse argumento e comemora como se tivesse refutado o argumento original quando, na realidade, ele derrubou apenas um espantalho desse argumento.

Esse tipo de argumento não passa, na verdade, de uma grande desonestidade intelectual, um verdadeiro "jogo sujo", para ser mais claro. Não há uma maneira de responder à alguém que usou dessa técnica através da lógica. A única maneira de responder à uma pessoa intelectualmente desonesta é desmascarando-a. Basta mostrar à essa pessoa ao público presente (se houver), que ela não passa de um vigarista querendo ganhar o debate a qualquer custo, apelando para técnicas desonestas.

É mais fácil bater em um boneco do que em um lutador, não é?


Vamos exemplificar?

Um exemplo que costumo usar sempre que falo desse técnica é a imagem que muitas pessoas têm de Deus. Muitos dizem que "Deus é um velhinho barbudo, sentado em um trono de ouro que fica no meio de nuvens branquinhas, de onde ele aponta o dedo em nossas caras dizendo quem vai para o Céu e quem vai para o Inferno". Já tratei muito sobre isso no blog, e para não ser repetitivo vou colocar os links dos posts em que falei sobre isso. Já refutei isso no post Amigo Imaginário, e em outro post intitulado Divindades Polisteístas. A questão do Céu e do Inferno eu já tratei no post Pecado e Inferno. Agora, vamos voltar à explicação.

Caso você conheça a verdadeira definição de Deus, ou já tenha lido os posts que citei acima, sabe bem porque e onde essa afirmação está errada. Na verdade, o que foi afirmado não condiz com o conceito verdadeiro de Deus, é um espantalho criado por neo-ateus, que deturpa o conceito verdadeiro e facilita a refutação do mesmo. Isso é um espantalho. Agora, com os conceitos verdadeiros em mãos, basta mostrar onde há a distorção no argumento e quais são as verdadeiras intenções do neo-ateu.

Só que hoje vamos mais afundo nesse tema...

Uma coisa que percebi ao longo dos meus estudos e dos meus debates, é que alguns espantalhos parecem durar muito mais do que o necessário. Esse exemplo que usei acima é um caso. Não corresponde ao verdadeiro conceito que temos de Deus, segundo o cristianismo, mas é uma caricatura de Deus. O mais perigoso disso tudo é que até mesmo alguns crentes (entenda por crentes aqueles que creem em Deus) acham que Deus é exatamente desse jeito, assim como essa caricatura descreve. Essas pessoas têm dois caminhos: ou mantém uma fé infantil durante toda a vida, o que não é lá uma coisa muito saudável; ou abandonam a fé que tem. Uma fé não amadurecida pelos estudos e questionamentos é uma fé fadada a morrer aos poucos.

Algumas pessoas que conheço abandonaram a fé em Cristo e aderiram ao neo-ateísmo justamente por causa disso: não amadureceram a fé. Insistiram em uma fé infantil. O neo-ateu acredita que este é o conceito que a Igreja tem de Deus, que este é o verdadeiro conceito de Deus, quando é somente um espantalho que durou mais do que devia.

Ora, neste Deus eu também não acredito! Ou melhor, nesta caricatura de Deus eu também não deposito a minha fé, porque, de fato, este não é Deus. O que acontece é que o que grande parte dos ateus rejeitam não é Deus de verdade, e sim uma caricatura de Deus. Essa caricatura pode ser apresentada à eles por diversas maneiras: pela escola, por algum amigo neo-ateu, ou até mesmo por um familiar ou religioso que ignora a teologia cristã (o que é o mais perigoso dos casos). Então a pessoa cresce, questiona esse Deus à ela apresentado, e se revolta contra isso. É evidente que isso vai ocorrer! Até eu me revoltaria contra um Deus assim! Mas o fato é que Deus não é assim.

O que deve nos guiar nesse amadurecimento da fé são os questionamentos, as dúvidas e os estudos. Quando digo questionamentos e dúvidas, não me refiro aos questionamentos sem fundamento do tipo "Por que Deus fez isso comigo?", que visam apenas desafiar Deus e seus desígnios, mas falo sobre a dúvida sadia, a que gera na pessoa uma vontade de investigar e estudar o problema em questão. E é disso que precisamos nos dias de hoje, de cristãos que saibam usar a cabeça, que aprendam a usar a inteligência que Deus lhes deu a seu favor.

Talvez algum dia os neo-ateus percebam que estão apenas batendo em um espantalho, e assim procurem conhecer a Verdade sobre Deus e o cristianismo. Afinal, como diz um grande amigo meu, "Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará" (Jo 8, 32).

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Aborto de Anencéfalos: A Eugenia Nazista no Brasil

Curta "O Religioso Crítico" no Facebook.

Já leu o meu último post? Refutação #5: O Dragão na Garagem.

Hoje vamos comentar um acontecimento histórico que se deu dia 12 de abril de 2012. O Supremo Tribunal Federal, conhecido pela sigla STF, decidiu nesse dia a legalização do aborto de fetos anencéfalos. Eu sei que já se passou mais de um mês, meu post está um pouco atrasado, mas isso não muda nada. O assunto ainda é completamente digno de discussão.

Antes de qualquer coisa, quero compartilhar com vocês um vídeo que está rolando na internet onde um indivíduo comemora a decisão do STF como se fosse a conquista do hexa da Seleção na Copa do Mundo. Além disso ele ainda usa uma frase que será contestada ao decorrer do post.


Devemos condecorar o nosso caro amigo do vídeo com uma medalha. É o pior vídeo que já vi em toda a minha vida.

Perguntaram-me recentemente se eu era contra o aborto de anencéfalos. Eu respondi que, primeiramente, sou contra o aborto de uma maneira geral. Tenho bons argumentos para sustentar isso. Entretanto o nosso tema de hoje será especificamente a questão do aborto de anencéfalos. Se quiserem que eu crie um artigo falando sobre o aborto de uma maneira mais geral peçam-me nos comentários, na página do facebook ou por e-mail.

Então, vamos dar início...

Sou completamente contra essa decisão do STF, pois ela abre imensas brechas na legislação, remetendo à um passado já conhecido que todos nós bem sabemos no que culminou. Basta um pouquinho de esforço para nos lembrarmos disso. Aos que não conseguiram reconhecer essa ligação entre a decisão do STF e esse passado horroroso, aí vou eu...

Essa decisão do STF me fez lembrar do conceito de eugenia de um antigo ditador totalitarista muito conhecido de todos, ninguém mais, ninguém menos que Adolf Hitler. É, ele mesmo, Hitler. O Nazismo ficou muito conhecido por sustentar esse ideal de eugenia. Qual era a principal ideia do Nazismo? Criar um mundo melhor através de uma raça pura de pessoas supostamente superiores, com base em "critérios científicos".  Isso era a eugenia nazista. Por isso que eu repudio essa ideia maluca de querer fazer um mundo melhor. Tratei bem sobre isso no post A Ideologia dos "Homens Bons".

Agora essa história está se repetindo no Brasil, e as pessoas não têm noção do quão perigoso isso é. Agora a formação cerebral é o critério que define se você pertence ao grupo dos seres superiores, que têm direito a viver e são considerados pessoas, ou se você pertence ao grupo dos seres inferiores que devem ser exterminados para o bem da humanidade.

Isso abre lacunas muito graves na constituição. Por exemplo, o cérebro é um órgão vital, assim como coração e pulmões. A situação de um anencéfalo não seria diferente da situação de uma criança que nasce com má formação ou problemas no coração ou nos pulmões, afinal são todos órgãos vitais do ser humano, e sem eles a expectativa de vida da pessoa diminui muito. Com base nessa decisão do STF, coisas como essas podem ser legitimadas.

Uma pessoa não pode ser condenada por sua essência. Um negro não pode ser condenado por ser negro, nem um branco por ser branco, nem uma mulher por ser mulher, nem um deficiente físico por sua deficiência. Isso é algo que a pessoa não escolhe, não decide. Os anencéfalos não decidiram ser assim, não é justo condená-los por isso.

O critério para viver agora é esse: não seja anencéfalo. Se você não for, vive. Se for, azar. Assim faziam da mesma forma os Nazistas, só que com um critério diferente. Se você for ariano, vive. Se não, azar. E assim eles mataram 6 milhões de pessoas.

Direciono agora minha pergunta ao ilustríssimo indivíduo do vídeo acima. Será que isso realmente foi uma decisão inteligente? Você sabe o que você está comemorando?

Na verdade, pra ele não interessa se a decisão foi inteligente ou não, o que importa é sacanear os religiosos. Existe aí um grande revanchismo contra os religiosos, como se essa decisão fosse somente uma maneira de dizer aos religiosos: "Hahaha!! Vocês perderam!!". O que vale mesmo é ficar contra os religiosos, custe o que custar. Nem que para isso a pessoa tenha que apoiar um ideal nazista, não importa. O que importa é ser contra os religiosos.

Porém ser religioso e ser contra o aborto são coisas diferentes. Há aí um falso dilema. Não é necessário ser religioso pra ser contra o aborto, nem ser contra o aborto pra ser religioso. Mas talvez isso seja complicado demais pra algumas pessoas entenderem...

Poupo minhas palavras e deixo um vídeo do nosso querido amigo Junior do canal "Submundo Intelectual" falar por mim.


segunda-feira, 23 de abril de 2012

Refutação #5: O Dragão Na Garagem

Caros amigos e amigas leitores do blog "O Religioso Crítico", é com imensa satisfação que declaro, depois de mais de um mês sem novas postagens, o triunfante retorno das postagens semanais. A necessidade é grande, pois ainda existem muitos neo-ateus desprovidos de inteligência precisando de uma caridosa porção de argumentos racionais.

Já leu o meu último post? Se não, aproveite!! - Crítica #5: Retirada de crucifixos e símbolos religiosos no RS


"Cara, você não vai acreditar!! Tem um dragão na minha garagem!!"

Essa divertida técnica neo-ateísta, originária de um texto de Carl Sagan, deu o ar da graça em meu site em um comentário moderado recentemente. O comentário está localizado em um post também de refutação, assim como este, e será nosso objeto de estudos agora.

A técnica consiste basicamente em uma alegação. Alguém alega que há um dragão em sua garagem. No caso do comentário que mencionei o dragão em questão é um pouco mais elaborado, é um dragão vermelho que cospe fogo. Quando chegarmos na garagem dessa pessoa não veremos nada e diremos que este dragão na verdade não existe. Então esta pessoa começa a sugerir diversas desculpas, tornando impossível verificar a existência ou a inexistência desse tal dragão. Ao final, supõe-se que o mesmo se aplica para a questão da existência de Deus.

Agora vamos aos erros da técnica...

Primeiramente, não podemos comparar seres de naturezas diferentes, ou seja, seres físicos de não-físicos. Tratei sobre isso anteriormente no post Amigo Imaginário. Não podemos fazer uma analogia entre seres de diferentes esferas de discussão. Um dragão é um ser material, de natureza física, pois possui características físicas, como cabeça, corpo, cauda, ser vermelho e cuspir fogo. Deus é metafísico, ou seja, não possui características físicas ou materiais.

Aí o neo-ateu vai começar com as desculpas esfarrapadas. Ele vai dizer: "Mas o meu dragão é imaterial, e seu fogo e sua fumaça também são imateriais". Bom, neste caso sinto dizer, mas seu dragão não é um dragão, pois um ser imaterial não pode ser chamado de dragão. Um nome não surge simplesmente do nada. Há um significado para a nomenclatura para identificar um determinado ser ou objeto. Por exemplo, eu sei que um pão é um pão e não uma pedra, tudo por causa de suas características físicas. Mas se o pão perde todas as suas características físicas, não há mais sentido em chamá-lo de pão, afinal, ele já não é mais um pão.

O neo-ateu alegou que o dragão era vermelho e cuspia fogo. Ora, se ele é vermelho e cospe fogo ele deve ser material. Pronto, a discussão já pode ter fim aí mesmo. Mas vamos mais afundo nessa historinha...

A discussão sobre coisas materiais pertence à ciência e ao empirismo. Já a discussão sobre a metafísica pertence à Filosofia. Então, se o seu dragão é físico, você deve testá-lo de acordo com os nossos sentidos empíricos, como a visão por exemplo. Se ele não é físico, você deve prová-lo por meio de discussão filosófica, com base em argumentos lógico-racionais. Bem, eu conheço diversos argumentos para defender a existência de Deus, portanto tenho boas razões para crer em Deus. O seu dragão não possui nenhum argumento lógico favorável, o que me dá bons motivos para não crer nele.

Segue o fluxograma de um diálogo seguindo os termos da técnica. Todos os créditos para Snowball, do maravilhoso blog "Quebrando o Encanto do Neo-ateísmo". Visitem o blog, eu garanto que não se arrependerão.


Você também pode gostar de