terça-feira, 17 de julho de 2012

Quem criou Deus?

Mais de duzentos "curtir"

Primeiramente queria agradecer à todos que curtiram nossa página no Facebook. Já alcançamos o incrível número de 221 Likes na página. Quero agradecer à todos os leitores do blog, aos que divulgam nosso trabalho e aos que o apreciam. E para comemorar os mais de duzentos seguidores temos um post carregado de bom conteúdo logo abaixo. Aproveitem!!

Curta a nossa página no Facebook: O Religioso Crítico no Facebook.
Já leu o meu último post? Aproveite e o leia também: Tem gente que acha que animal é gente.


Recentemente moderei um comentário que me fez rir. O comentário foi feito anonimamente no post O Argumento Cosmológico. Pra quem não conhece, o Argumento Cosmológico é usado há séculos por apologistas cristãos, desde São Tomás de Aquino até hoje. Na minha opinião, é um dos melhores, senão o melhor argumento favorável à existência de Deus.

O comentário era sucinto, e dizia o seguinte: "Quem criou Deus?"

Ao ler o comentário minha reação foi instantânea. Comecei a rir. Mas logo depois me lembrei de como eu tinha dificuldade em lidar com este tipo de pergunta antes, quando eu não conhecia a apologética cristã. Então decidi dedicar um artigo para "responder" à essa pergunta tão elementar e ao mesmo tempo tão difícil.

Vejam que coloquei a palavra "responder" entre parênteses, pois na verdade essa questão não pode ser respondida. Trata-se de um erro na formulação da questão. Veremos isso mais adiante.

Se pararmos para pensar, vemos que a pergunta até tem um pinguinho de pertinência. Toda pessoa já se perguntou isso alguma vez na vida, e se ainda não o fez, ainda fará. Lembro que meu irmão fez essa pergunta aos meus pais quando ainda era uma criança, não sei dizer ao certo, mas ele devia ter em torno de 10 anos, talvez menos.

A pergunta é simples e pequena, mas seu tamanho esconde um potencial muito grande. Os neo-ateus usam este tipo de pergunta como se fosse a mais poderosa dúvida a respeito de Deus.

Chega de blá blá blá... e vamos responder!!

Recomendo que leia o artigo sobre O Argumento Cosmológico antes de continuar, ou ao menos leia o silogismo abaixo:


- Primeiro: do nada, nada se cria, pois o nada não existe;
- Segundo: tudo o que passa a existir têm uma causa;
- Terceiro: o Universo têm uma causa, não pode simplesmente ter acontecido do nada;
- Quarto: esta causa tem que ser não-causada, atemporal, aespacial, imaterial, poderosa e pessoal;

- Logo, podemos concluir de longe que a explicação mais plausível para a origem do Universo é Deus.


O interlocutor tenta regredir um pouco mais no argumento. Se o Universo tem uma causa, então Deus também deve ter uma causa, afinal tudo o que existe tem uma causa. Assim o neo-ateu pensa ter demolido toda a sua argumentação. Logicamente, os pensadores que faziam uso desse argumento pensaram nessa possibilidade. Se até uma criança de dez anos pode se questionar a respeito disso, não duvido que grandes pensadores como São Tomás de Aquino não o tenha feito também.

O erro fácil de ser cometido assim como é fácil de ser encontrado. Basta reler o argumento. A questão se refere à segunda premissa do argumento. A premissa diz que "tudo o que passa a existir tem uma causa", ou seja, tudo o que começa a existir tem uma causa, ou ainda, tudo o que um dia vem a existir tem uma causa.

A confusão é feita exatamente nessa premissa. O neo-ateu se engana pensando que a premissa diz que "tudo o que existe tem uma causa" quando, na verdade, ela diz que "tudo o que passa a existir tem uma causa". Dessa maneira fica muito mais fácil de responder à pergunta inicial.

Afinal, o que causou Deus?

Deus é o que chamamos de "causa incausada", no caso do Argumento Cosmológico. Deus é eterno, então não pode ter um início, Ele sempre existiu, sempre esteve lá. Não há sentido lógico algum em questionar a causa de algo que sempre existiu. Na Bíblia encontramos a seguinte passagem no Evangelho segundo São João: "No começo a Palavra já existia: a Palavra estava voltada para Deus, e a Palavra era Deus" (Jo 1,1).

A questão é totalmente destituída de sentido lógico. Como eu disse acima, trata-se de um erro na formulação da mesma. Se o eterno não tem causa, pois sempre existiu, então perguntar a causa de algo que é eterno é a mesma coisa que perguntar quantos lados tem um círculo, ou quem é a esposa do solteiro.

Tudo se trata de uma confusão na interpretação do argumento. O argumento afirma que tudo o que começa a existir tem uma causa, e não que tudo o que existe tem uma causa. Assim, eliminamos de vez esse questionamento que parece ser, para os neo-ateus, o maior pesadelo dos cristãos em toda a história.

Para finalizar, deixo um vídeo onde o Dr. William Craig responde à essa pergunta e explica mais resumidamente o engano contido nela. Bom proveito!!


Você também pode gostar de