sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Por que eu modero comentários

Curta a nossa página no Facebook
Leia o último post: Quem criou Deus?

Nos últimos meses o crescimento do blog "O Religioso Crítico" foi notável. As visualizações dispararam, o número de likes na página do Facebook atingiu um valor que jamais imaginei que fosse atingir e os comentários nos artigos têm sido bem mais recorrentes.

Frente a essa evolução (não a evolução de Darwin =D) uma pergunta foi dirigida aos editores do blog: "Por que vocês moderam os comentários? Se vocês são a favor da liberdade de expressão e a defendem a todo custo, por que moderam os comentários que os leitores escrevem?" A pergunta é pertinente e será respondida aqui neste post.


Primeiramente, o blog é uma página particular, e o blogger me dá o direito de moderar ou até mesmo de bloquear comentários. Tendo eu este direito, não é errado a mim exercê-lo se assim eu quiser. Mas a questão fica mais profunda quando entra a nossa relação com os conceitos de liberdade de expressão.

O direito a liberdade de expressão é um direito fundamental e inalienável garantido pela constituição a todo e qualquer cidadão. Da mesma maneira que eu tenho direito de falar abertamente sobre temas diversos no blog, o leitor também tem direito de expor sua opinião a respeito do que eu escrevo. Concordo plenamente com isso. Mas será que esse direito não pode ser pautado em alguns limites?

Tentarei me explicar em poucas palavras. O blog trata sobre temas deveras polêmicos, o que gera certo "ódio" ou indignação por parte dos leitores de opinião contrária a minha. Muitos dos comentários que recebo não são nada mais do que puras provocações e ridicularizações, totalmente desprovidas de qualquer conteúdo intelectual sadio. Manter esses tipos de comentários no blog apenas poluiriam a imagem do site, causando um certo desconforto para os leitores mais assíduos. Não há nada de mal em rejeitar esses comentários, que nada acrescentam à discussão.

Pior ainda seria se eu respondesse esses tipos de comentários. É como tentar apagar fogo com gasolina. Cada vez ficaria pior. Criar-se-ia, então, um ciclo de vingança onde um atacaria o outro, que revidaria o ataque, que responderia novamente, e assim sucessivamente até que isto chegasse a um extremo desnecessário.

Devo deixar claro também que modero até mesmo os comentários favoráveis, por que até mesmo alguns comentários que são favoráveis a minha ideia poluem o blog. Como isso acontece? Quando alguém quer se promover às custas do meu blog, por exemplo.

Nem todos os comentários contrários são rejeitados, na verdade, a maioria dos comentários aceitos são contrários à minha opinião. Até porque eu necessito de gente que não concorde comigo para desenrolar a discussão, se não nada teria sentido.

Se o seu comentário, seja ele favorável ou contrário, não possuir uma linguagem baixa, com provocações, ridicularizações ou palavrões, com certeza ele será aceito e respondido assim que possível. Os leitores mais assíduos sabem que eu respondo à todos os comentários, sem exceções.

A palavra-chave que fica aqui é "discernimento". Tudo deve ser bem ponderado antes de ser publicado. Assim eu faço com meus artigos, assim vocês devem fazer com os seus comentários, a fim de que o blog seja um lugar agradável para discussão de temas polêmicos e interessantíssimos, por pessoas civilizadas e que sabem respeitar os limites do bom senso.

4 comentários:

  1. pode comentar que estão a difamar pessoas com base em atos ilícitos de uso indevido da imagem e violação de direitos autorais?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode sim, desde que você prove suas alegações. Suas tentativas de me assustar não funcionam, eu também conheço sobre meus direitos. O vídeo do post que você denunciou não é meu, portanto não sou eu que estou fazendo uso indevido de imagem e violação de direitos autorais. Mas fique tranquila, eu vou editar o post e remover o seu nome.

      E só uma última dica: acusação sem prova pode ser perigoso...

      Excluir
  2. Caríssimo, a respeito da presunção de liberdade de expressão cumpre observar que há limites, sim, pautados, inclusive, pela civilidade.

    Um exemplo: um ateu militante, do fundo da sua estupidez e intolerância, tem liberdade para, até, fazer o achincalhe que usualmente fazem contra as religiões.

    Mas seria lícito um imbecil dessa laia expressar essas (baboseiras) opiniões dentro de uma igreja - de qualquer credo - em meio a fiéis em culto?

    Outro: um libertino desconstrucionista (expressão charmosa para LIXO PURO) tem o direito de expressar seus pontos de vista em jornais, televisão, espaços públicos etc. Mas teríamos que nos obrigar a aceitar um espécime desse gênero desferindo palavrões e indecências dentro de nossas casas?

    E o seu blog é como uma casa sua. Bem salientado no seu texto: é uma propriedade PRIVADA.

    Quanto aos que reclamam liberdade de expressão para proferir insultos na sua propriedade privada, lembre-os que numa sociedade democrática não existe, por consequência da sua natureza plural, liberdade absoluta.

    Para terminar: não é a primeira vez que leio essa acusação asinina de uso indevido de imagem/violação de direitos autorais na internet. Muito ao contrário do que pensa a acusadora de dedo em riste, o direito autoral pressupõe como fato gerador uma REGISTRO autoral (o famoso "copyright", no caso de escritos) e a imagem divulgada EM BLOGS na internet - sem fins lucrativos - é PÚBLICA a menos que a pessoa focada requeira com antecedência (e em Juízo) seu uso privativo. Caso contrário, o máximo que ela pode fazer é solicitar "a posteriori" o recolhimento dessas imagens, como fez a Xuxa com a cena de um certo filme, e a Daniela Cicarelli com o vídeo de um certo tórrido "romance". Antes disso, a base para um hipotético processo é muito fraca. Sobre difamação, confira-se um caso recente envolvendo um certo deputado gayzista em seu twitter e vários blogues, além do site Mídia Sem Máscara. Bastou este pessoal demonstrar que apenas reproduziu o que saíra na rede por outra fonte, não sendo a origem da notícia (que era falsa).

    Reforço, assim, sua observação final: acusação sem próvias - i.e., calúnia - pode ser perigoso. Também é crime, vale lembrar aos incauto(a)s.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro amigo, Eduardo Araújo, agradeço o seu comentário que, aliás, foi excelente e cheio de bom conteúdo.

      A acusadora que estava ameaçando me processar não se manifestou mais. Acredito que ela tenha percebido que não há nada de errado com o meu post. Melhor assim.

      Até mais!

      Excluir

Você também pode gostar de