terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Refutação #6: Religião é como um pênis

Sem comentários...
Precisei respirar durante uns cinco minutos antes de escrever essa postagem. Mas depois de refletir um pouco, pensei: "eles não sabem o que falam"...

Fiquei pensando comigo o quanto o significado da palavra "religião" foi deturpado. Costuma-se ver religião e religiosos como algo ultrapassado, retrógrado. Associa-se religiosidade com irracionalidade e ignorância. Bem, estamos aqui para demonstrar o oposto.

Encontrei essa imagem esses dias bisbilhotando as postagens de meus amigos no Facebook. É evidente que se trata de uma montagem, não existe um cartaz com essas palavras em lugar algum, mas o que parece é que alguém realmente queria que existisse. Vou traduzir o texto que se encontra nessa foto:

Religião é como um pênis
Não há problemas em ter uma
Não há problemas em se orgulhar disso

Entretanto

Não a mostre em público
Não a empurre em crianças
Não escreva leis com ela
Não pense com ela

Ao ler esse texto você deve discordar de tudo o que ele diz. Não apenas uma ou outra parte, mas tudo. Se você não discordou de tudo, você foi enganado por raciocínios enganosos. Vamos dissecar esse texto e mostrar essas falácias uma a uma.

Religião é como um pênis, não há problemas em ter uma

Esse é um caso de falsa analogia, por dois principais motivos. O primeiro deles é que não escolhemos ter um pênis ou não, é uma questão que não cabe a nós decidir. Quanto à religião, somos nós que decidimos se seguimos uma ou não. Isto é, a religião está dentro do nosso espectro de escolhas possíveis, mas ter ou não um pênis não é algo que possamos decidir. Isso vale para tudo o que é natural, como o sexo, a cor de pele, a cor dos olhos, a cor do cabelo, doenças, etc. São coisas que não escolhemos se queremos ter ou não, portanto não podemos ser julgados por isso. Agora, no caso da convicção religiosa, não se pode dizer o mesmo. A religião é algo que decidimos, que optamos por seguir, então há uma diferença enorme entre ter um pênis e seguir uma religião. Não é possível fazer uma analogia sobre essas duas coisas, o que já destrói o texto inteiro. Mas nós queremos ir mais longe do que isso, não é verdade?

O segundo motivo consiste na falta de noção do que é uma cosmovisão. Saber o que é uma cosmovisão mudaria muito o que os ateístas pensam a respeito dos religiosos. O que é uma cosmovisão?

Cosmovisão = visão de mundo, maneira de enxergar a realidade da vida.

A cosmovisão é a visão de mundo de uma pessoa. Diga-me qual é a cosmovisão de uma pessoa e eu posso deduzir, com grande probabilidade de acerto, muito sobre o que esta pessoa crê, o que ela não crê, como ela vive, sua rotina, etc. 

Como isso acontece? É simples. Uma pessoa não pode ter duas cosmovisões simultaneamente, pois elas se contradizem em suas definições. Isso é algo impossível na teoria e na prática, pois se trata de uma contradição em termos. Por exemplo, uma pessoa não pode ser Teísta e Ateísta ao mesmo tempo, pois uma visão é completamente oposta a outra.

Tudo bem, mas o que isso tem a ver com o texto da imagem?

Tem tudo a ver, pequeno gafanhoto! Ter uma religião não é como ter um pênis. A analogia, além de desrespeitosa, é falsa. Sua cosmovisão diz muito sobre você, mas ter ou não um pênis não pode dizer muitas coisas a respeito de quem você é, de como você age, de suas crenças e descrenças.

Não há problemas em se orgulhar disso

Normalmente, as religiões não são muito fãs dessa palavrinha aí: orgulho. O orgulho é um sentimento mau por natureza, isto é, em circunstância nenhuma o orgulho pode ser algo bom. Não me orgulho de seguir minha religião. Eu sou feliz por isso, mas não sinto orgulho. Não devemos nos orgulhar de nada.

Entretanto... Não a mostre em público

Alguém pode me dizer o que significa isso? Como assim "não a mostre em público"? Daqui a pouco estaremos vivendo como no Irã, onde você pode ser cristão, mas somente dentro da sua casa. Que raios de censura é esta que estão querendo nos impor? Quer dizer que agora não posso manifestar a minha crença? Estão querendo tirar nosso direito de liberdade de opinião e expressão? Ou é nossa liberdade religiosa que é o alvo da censura?

Não consegui acreditar quando li, mas é isso mesmo que eles queriam dizer ao escrever isso. Alguém deve estar bem incomodado com pessoas usando crucifixos ou camisetas com mensagens religiosas. Colocar as "partes" para fora em público é crime, atentado violento ao pudor. Estão querendo nos encaixar na mesma categoria simplesmente porque acreditamos em Deus. Usar um crucifixo no peito não me parece nenhum tipo de crime.

Não a empurre em crianças

Novamente a questão das crianças e da educação religiosa. Mas antes quero atentar para uma coisa, a relação feita pelo texto é muito mais desrespeitosa nessa parte do que em todas as outras. O autor da imagem faz uma comparação que deixa uma clara impressão, quase incontestável, que o ensino religioso é a mesma coisa que um abuso sexual infantil. Mais uma vez comparando convicção religiosa com um crime. Será que é tão ruim assim ser religioso?

O que tenho a dizer sobre essa comparação? Tenho piedade de quem escreveu isso, pois anda faltando muito estudo na vida dessa pessoa.

Essa frase em especial, deixa claro que o marxismo cultural está cada vez mais criando raízes na mente da sociedade. Essa é uma ideia tipicamente marxista. Querem que as crianças sejam propriedade do Estado, pois acham que nós somos estúpidos demais para educá-las. No entanto, dentro do nosso ambiente particular os soberanos somos nós. Sou eu quem decide, dentro de um limite razoável, qual é a melhor maneira de educar meus filhos. Se sou ateu, vou educar meus filhos de acordo com o que acho mais correto, no caso, o ateísmo. Se sou teísta, vou educar meus filhos de acordo com o que acho mais correto, no caso, o teísmo. Se sou budista, o mesmo. Se sou espírita, o mesmo. E assim sucessivamente.

Na verdade, os ateístas militantes odeiam a religião, e fazem parecer que ensinar a religiosidade às crianças é tirar delas a liberdade de escolha. Não passa de uma enorme fantasia. Para provar isso, podemos inverter o jogo.

"Você pode ser ateu, não há problema nenhum nisso, mas não empurre o ateísmo em crianças."

Você deve discordar dessa frase acima, pois os pais ateus devem educar seus filhos de acordo com o que eles acreditam ser o correto. No entanto eles não podem querer impedir os pais teístas de educar os filhos deles no que eles acreditam ser correto. Entenderam?

Falei sobre isso em diversos posts aqui no blog, mas o mais importante post sobre esse tema é o post Esfera Pública e Esfera Privada. Indico fortemente a leitura desse post para entender melhor o erro absurdo da frase contida na imagem. 

Não escreva leis com ela

Como eu costumo dizer: "ignorância histórica é um mal terrivel!"

Queria somente fazer algumas perguntas para o elemento que escreveu isso. De onde ele acha que vieram as leis do país dele? De onde ele acha que veio a ideia de direitos humanos que existe hoje? Onde ele acha que a sociedade ocidental se baseou para construir, cada um em seu país, a Constituição?

Se o amigo da imagem já leu alguma vez um pouco da Constituição Federal, não será difícil de responder à essas questões. Em toda a sociedade ocidental, em todos os países, a base para a construção do sistema legal que possuímos hoje foi o cristianismo, e isso é indiscutível. Você encontra, sem grandes dificuldades, os valores judaico-cristãos encrustados nas leis do mundo ocidental. A Bíblia, o decálogo, a regra de ouro, tudo isso foi a base para a construção da legislação ocidental. Hoje, por causa do pós-modernismo e do humanismo secular, isso tem mudado um pouco. Algumas leis que eram baseadas no cristianismo começaram a ser revogadas, e outras que não são baseadas no cristianismo começaram a ser aprovadas e a entrar em vigor. Mas isso é outra história.

E por falar em história, é bom que o amigo autor dessa imagem comece a estudá-la um pouco mais.

Não pense com ela

Aqui ficou bem confuso o que o autor quis dizer. Será que não posso pensar sendo religioso? Ou será que tenho que pensar deixando de lado minha religião? Ou ainda será que tenho que ser religioso só na hora da missa/culto e depois tenho que esquecer que sou religioso, porque isso me impediria de pensar?

Existe algum problema em ser religioso e pensar de acordo com minha convicção religiosa? Não vejo mal algum nisso, sinceramente. Novamente entra aquela questão de que os ateístas militantes tanto se orgulham. Eles tomaram posse da razão e da ciência, como se fossem coisas próprias e exclusivas de quem é ateu, o que é um absurdo lógico e histórico. A ciência nada tem a ver com o ateísmo.

Pensar e ser religioso não são coisas contraditórias, posso muito bem pensar como um católico, ou como um protestante, ou como um espírita, etc. Até porque essa é a minha cosmovisão, eu vejo a vida de acordo com esse meu posicionamento ideológico, logo, eu penso como um teísta. Lembram quando eu disse que a sua cosmovisão diz muito sobre você? Então, era basicamente disso que eu estava falando. Meia hora lendo um livro impediria o autor de escrever tamanha bobagem.


Satisfeitos? Espero que sim. Por hoje é só, mas ainda teremos mais posts essa semana. Até a próxima!

Um comentário:

  1. A questão mais simples é que vc pegou o sentido de tudo e levou ao pé a letra e acabou distorcendo a visão geral da frase como a maioria dos fanáticos fazem ;)

    ResponderExcluir

Você também pode gostar de