sábado, 23 de fevereiro de 2013

Série Especial "Ideologias-lixo" - Movimento Gayzista

Antes de ler o artigo, queria pedir aos leitores e leitoras do blog, que assistissem a esse vídeo logo abaixo.


Para início de conversa, precisamos fazer algumas distinções básicas. Sempre que se constrói uma crítica a algum tipo de ideologia de minoria oprimida, o indivíduo toma as dores do grupo. Isso sempre acontece, não será diferente dessa vez. Sempre que se critica o feminismo, as pessoas pensam que você está criticando as mulheres, e te acusam de machista. Sempre que se critica a política de cotas raciais, as pessoas pensam que você está criticando os negros, e te acusam de racista. Sempre que se critica o movimento LGBT, as pessoas pensam que você está criticando os homossexuais, e te chamam de homofóbico.

A fim de evitar esse tipo de má interpretação, deixarei claro aqui neste post que a crítica será construída contra o movimento LGBT, e não contra os homossexuais. O que se deve ser criticado, sempre, são as ideias, e não as pessoas. Não tenho nada contra pessoas em especial, mas tenho muito contra o movimento ideológico que é o movimento LGBT.

No entanto ainda existem algumas pessoas sensatas que sabem diferenciar isso. Indico para vocês, caros leitores e leitoras do blog, um site chamado Gays de Direita, que acho um tanto interessante. Aconselho a leitura de alguns artigos de cunho mais polêmico.

Tudo o que eu queria, e eu sei que não é pedir muito, é que essa confusão fosse desfeita. A ideologia gay é filha do marxismo cultural, assim como todos os outros movimentos de minorias oprimidas. Já disse isso antes, e torno a enfatizar: essas ideologias estão todas interligadas. Normalmente um marxista é também neo-ateísta, feminista, gayzista, abortista, etc. De todas as "Ideologias-lixo" que abordei nesse especial, acredito que nenhuma foge à regra.

Já escrevi sobre esse tema anteriormente no blog. Numa das postagens que escrevi, sofri uma represália tão grande por parte da militância LGBT, que fui obrigado a retirar o conteúdo do post, sob a ameaça de ser processado. No entanto, um dos artigos está ainda no ar, e é esse cujo link está listado abaixo:

Eu falei tanto sobre esse tema outras vezes, que acho até repetitivo tratar novamente o mesmo assunto. Para deixar o conteúdo mais enxugado e resumido, e também para evitar repetecos, vou listar alguns tópicos e comentá-los. Assim a leitura também fica menos entediante para vocês que acompanham o blog.

A intolerância dos intolerantes

Um grande erro, e talvez o maior deles, dos militantes LGBT, são a intolerância e agressividade com que os mesmos atuam em meios públicos. Isso ficou claríssimo depois das diversas provocações baratas feitas pelos militantes nas paradas gays, onde foram usadas até mesmo imagens de Santos católicos para promover sua intolerância. Ora, não se lutar por tolerância sendo intolerante. Não faz o menor sentido! Nesse sentido eles se igualam aos movimentos neo-ateístas, como os promovidos pela ATEA, onde se desmoralizam e ridicularizam cristãos sob a maquiagem de uma suposta "luta pela igualdade".

A máscara do movimento LGBT

Na verdade, essa luta por direitos, ou luta por igualdade, somente esconde a verdadeira face do movimento LGBT. As leis que eles querem implementar, a exemplo do PL-122, são mais parecidas com algum tipo de cerceamento da liberdade do que com a liberdade propriamente dita. Da mesma maneira que não se consegue tolerância sendo intolerante, também não se consegue liberdade cerceando a liberdade de outrem.

Se não tiver alternativa, chame-o de homofóbico!

Como bons marxistas que são, os militantes gayzistas seguem fielmente aquela famosa frase atribuída a Lênin: "Xingue-os do que você é. Acuse-os do que você faz". Essa lição do titio Lênin os militantes LGBT aprenderam direitinho, tanto que a seguem à risca, como um mantra. Qualquer coisa, por mínima que seja, que você diga contra o movimento LGBT é motivo para te caracterizarem como homofóbico, xenofóbico, nazista, fascista, genocida, etc.

Ora, há uma enorme diferença entre uma crítica e um discurso de ódio, e isso é notável! A crítica é embasada em argumentos, o discurso de ódio é embasado em ataques pessoais ad hominem. Meu objetivo, como dito anteriormente, não é criticar pessoas, mas ideias. Não tenho nada contra pessoas em particular, mas tenho contra suas ideias. Tanto que também aceito críticas direcionadas às minhas ideias, mas críticas contra a minha pessoa não têm valor algum. Não há valor lógico em argumentos de ataques pessoais.

Para finalizar, deixo uma citação retirada do post linkado acima, onde detalho sobre a diferença do discurso de ódio contra homossexuais, que é uma coisa repugnante, da simples crítica ou desaprovação das práticas homossexuais ou da conduta da militância LGBT.

Na verdade, os seguidores da ideologia gay (Prestem atenção! Não são todos os homossexuais que têm essa posição) apontam o cristianismo e sua posição contrária ao homossexualismo como homofóbicos. Lembrando que homofobia é o ódio mortal por homossexuais, e isso não ocorre nas igrejas cristãs. O fato é que todo tipo de opinião contrária ao homossexualismo está sendo considerada homofóbica. Algumas pessoas não sabem reconhecer a diferença entre não ter uma opinião a favor dos comportamentos homossexuais e estourar uma lâmpada na cabeça de um homossexual só porque ele é homossexual. A primeira não é homofóbica, é liberdade de opinião, já a segunda caracteriza a tal "homofobia".

Não quis me aprofundar no assunto, por ser um tema já tratado muitas vezes. Aos que quiserem aprofundamento, indico o post já citado antes. Que Deus abençoe a todos nós!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Você também pode gostar de